segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013

Despertar



Tem dia que não é bonito
Tem dia que não aceito
Tenho medo de perceber 

que vivi sonhando.
acordar regurgitando 
o gozo das
nossas tardes de prazer.

Marcela Negrão. 18/02/13

segunda-feira, 20 de agosto de 2012

O tempo...



É tão dolorido quando percebemos que o tempo vai passando

E que muita coisa não é mais como era antes
É tão difícil assumir que muitas coisas mudaram
E que a gente não é mais o mesmo...
Que alguns amigos foram ficando para trás

Que machucamos outras pessoas
Que tivemos tantas perdas...
Prometemos coisas que não pudemos cumprir
Colocamos máscaras
Maquiamos a verdade com sorrisos

E agora choramos...
Queria ter a cabeça que tenho hoje

E rebobinar tudo
Começar do começo
Dar mais amor àqueles que 

amo
Ouvir meus amigos

Ousar mais
Me dar mais valor
Sorrir mais...
Ainda há tempo
Ainda há tempo pra muito...
Mas vai saber mais quanto tempo temos?

Eu queria não ter que dormir mais, pra aproveitar até o último segundo
do tempo, que não acreditamos...
Mas é nosso mais valioso tesouro.

quinta-feira, 16 de agosto de 2012



E o silêncio é o lugar mais aconchegante
Onde a imaginação flutua longe
Criando imagens na escuridão
Nenhum problema ou inquietação
Nada é assim tão pleno e nem tão elegante
Que fecha a noite com perfeição!

                               Marcela Negrão.
                                           17/08/12.

quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

Amigas



Parece que perdemos o chão
Em um breve período de tempo
Parecemos presas, amaldiçoadas
Mas o sentimento continua crescendo
Somos irmãs, tenho certeza
Parece que sei quando você está precisando de mim
E parece que você lê meus pensamentos
As vezes parece que eu deixei de ser eu
Confrontando algumas atitudes que tive
Os erros que cometi com você
Mas mesmo assim,
Estamos unidas.
Dizem que quando uma amizade é verdadeira, ela dura...
E nós quando não tivermos mais dentes
Ainda seremos eternas amigas!

domingo, 22 de janeiro de 2012

Ayahuasca


Uma viagem para o além
Um além profundamente íntimo
Onde nos deparamos com toda a plenitude do nosso ser
Onde podemos nos olhar tão de perto
Como se pudéssemos ver em nossa pele
Toda a história dos nossos ancestrais
Uma renovação
Uma grande transformação
Operando uma mudança em cada
átomo do nosso corpo, mente e espírito
êxtase, catarse, emoção...

quinta-feira, 13 de outubro de 2011

Um cão


Ora ou outra ela voltava a abanar o rabo
A lamber com fidelidade a mão 
Abaixar as orelhar com medo de ser deixada
Mas no fim lembrava que não se tratava de agir como um cão
Pois piedade não lhe aquecia o coração
E ela de volta estava ao frio vazio que no fundo lhe habitava
Como a tristeza lhe abatia fundo no peito
A amargura amarrava em um nó na garganta
E a melancolia lhe brilhava nos olhos e precipitava a cair
Tudo que ela mais queria era partir
Ir longe
Além daquilo tudo que não estava por fora
Mas por dentro
Tão incisivo, tão nas entranhas
Lhe matando como um câncer

Porque tinha que ser assim
Tão fraca?

segunda-feira, 12 de setembro de 2011

Por que?





Eu vejo pétalas de flores jogadas pelo chão
Nesse jardim invernal de culpas e erros
Tão frio e distante daquele lugar em que estive.
Em decomposição, alimento os vermes na terra
Onde outrora comi dos mais doces frutos, agora
Sou degustada, gélida, pútrida
 O que me tornei?
 Quem sou?
São perguntas que se abatem sobre esse cadáver 
Eu que aqui estou e ao mesmo tempo ausente
Deitada em leito de madeira,ainda quente
Devorada, ferida 
Fracassada na promessa não cumprida
 Até minhas lágrimas secaram, pois foram bebidas até a última gota
 E o sentimento dentro do peito se esconde com medo

 De ser atingido também...
 Por que? Eu me pergunto
Porque dói tanto morrer ?

                                            Marcela Negrão. 12/09/2011.